Categorias
Artigos

Seja Esperto, Jogue RPG!

Durante anos, o RPG (Role Playing Games – Jogos de Interpretação de Papéis ou Jogos de Imaginação) vem aumentando cada vez mais seu número de aficcionados e adeptos, formando Jogadores e Mestres dos mais variados sistemas e estilos. Com a presença de jogos facilitados através de livros gratuitos via internet ou através de jogos mais baratos e acessíveis por bancas de jornal, o RPG vem sendo cada vez mais procurado e reconhecido, como instrumento de lazer assim como uma forma de manifestação cultural e educativa.

Embora o RPG seja a principio, voltado exclusivamente para a diversão, ele pode muito bem ser utilizado para inúmeras outras atividades como auxilio no ensino de matérias, desenvolvimento vocacional, análise psicológica, incentivo à leitura e a elevação sócio-cultural de nosso pais. O nível de conhecimento de um RPGista é muito superior ao de qualquer outro tipo, boa parte deles cursam a faculdade ou mantém boas notas no colégio. Pessoas tímidas passam a conviver melhor em sociedade, passam a ter mais amigos e obtém um melhor conhecimento sobre si mesmo. Práticas viciosas como alcoolismo, fumo, drogas, são praticamente inexistentes entre os RPGistas, ao contrário do que afirmam os críticos e a grande maioria possui ou procura por algum tipo de orientação religiosa que vá de acordo com seus princípios. Práticas como Intolerância, Agressão, Ódio, Preconceito e outros adjetivos negativos são totalmente inaceitáveis, evitados a todo custo entre os adeptos do RPG, da mesma forma como também o são em nossa sociedade.

A leitura, prática essa louvável e tão apreciada, é obrigatória no RPG. O numero de livros lidos de diferentes tipos, titulos e autores são crescentes, tornando a prática agradável e totalmente voluntária. Um RPGista não lê para passar em uma prova ou por pura obrigação, mas sim, pelo prazer da leitura, para entreter-se, para aumentar seus conhecimentos e a busca por informações. Livros clássicos, repudiados por jovens que buscam por formas alternativas e pouco convencionais de diversão, para um RPGista passam a ser fontes de inspiração e por conseqüência, elevam seu nível cultural. O numero de escritores amadores vem crescendo gradativamente ano após ano, sendo a internet seu maior veículo de apresentação e publicação. Boa parte das histórias contada por estes novos autores é nada mais nada menos que as histórias vividas por jogadores durante suas seções de jogo.

Por este e outros motivos, o RPG vem se tornando cada vez mais presente na vida curricular e social de milhares de adolescentes, jovens e adultos das mais variadas faixas etárias, gostos ou posições socioeconômicos. Antigos críticos já reavaliaram suas posições referente à prática e agora incentivam o uso. O mesmo pode ser facilmente observado no interior do lar, sob os olhares atentos e de pais e educadores, preocupados com a segurança de suas crianças. Os pais de um RPGista sabem com quem seu filho anda, pois conhecem cada um dos membros de seu grupo de amigos, geralmente presentes durante seções de jogos realizadas nas salas das próprias casas e não em bares, lanchonete ou danceterias de localização ou condição duvidosa e suspeita.

O RPG é apenas um jogo, um divertimento que pode ser feito por qualquer um em qualquer lugar e a qualquer hora. O RPG hoje representa a mesma coisa que as brincadeiras de roda e de rua significavam em épocas mais moderadas e menos perigosas. O RPG é uma das diversões mais seguras dentre todas, para isto, basta apenas ler um simples livro e participar.

Infelizmente, o RPG carece de locais onde está prática possa ser realizada publicamente. Locais públicos de lazer e conhecimentos em sua maioria, praticamente desconhecem o RPG e em muitas ocasiões confundem-no como prática imoral e prejudicial, sem nem mesmo levar em conta seu valor educativo ou sua similaridade com práticas pedagógicas de ensino e cultura, sofrendo uma forte repressão por conta de pais, mestres, pseudo-educadores e pseudo-líderes comunitários e religiosos.

Líderes Religiosos podem muito bem usufruir os benefícios do RPG. Suas técnicas de narrativa e entrosamento podem muito bem ser aplicadas para difundir a palavra de Deus, ou os dogmas de sua religião e ensinar como se relacionar melhor com o seu próximo. Os maiores críticos estão justamente entre os religiosos que, em sua maioria, não estão realmente interessados na divulgação da palavra e sim no controle das massas, especialmente os jovens e adolescentes. Eles lêem dados obsoletos, incompletos e muitas vezes equivocados para comprovarem suas opiniões sem fundamento, sem nunca sequer terem lido realmente um livro de RPG ou participado de qualquer partida de jogo. Confundem Livre-Arbítrio com Obrigação e ignoram completamente os direitos constitucionais de Liberdade de Expressão e o Direito de livre Culto. RPGistas conscientes de que não estão cometendo nenhum ato ilícito ou perigoso, repudiam total e abertamente tais indivíduos, assim como suas ações e argumentos.

O RPG não é uma Seita Religiosa. Ele não é uma religião e sim uma prática narrativa para contar histórias e nada mais.

O RPG é algo que está ao alcance de todos e seu custo é mínimo, chegando até mesmo a não ter custo algum. É uma prática de interação social, de incentivo a cultura e que todos, em algum momento de sua vida, já o fizeram ou o estão fazendo mesmo sem o saber. Se você brincou de roda, de esconder, de pega, brincou com bonecos ou assistiu a um filme ou novela, participou de peças teatrais ou leu um livro onde se colocou no lugar do personagem, você já teve um contato com o RPG.

Informe-se na banca mais próxima, na livraria, na biblioteca, nos centros culturais. Ou simplesmente pergunte ao seu filho, seu irmão, parente ou amigo e leia um de seus livros. Participe, una-se a uma nova geração e engrandeça sua vida através da prática de bons hábitos, novos amigos e tenha uma visão totalmente nova de convívio em sociedade.

Seja esperto, Jogue RPG.

Até.
Mestre Mágico.